The good, the evil and Batman


I always liked comics. Batman has always been my favorite superhero. I also liked Spider-Man, Wolverine, and The Punisher. As a consequence, he ended up reading the parallel stories that comic books comic and Grafic Novels. So I was aware of what was going on in the Justice League and the Marvel Universe.

In one of Batman’s numerous Graphic Novels, with a rather somber art and especially neurotic beginning (quite typical of Bruce Weine’s conflict), my relationship with philosophy and psychology began.

The point that marked me intensely happens on the first page. Involving 3 squares only. In the first one, Batman appears in the foreground, on his back, crouched on the edge of a building, like a gargoyle. In the background, a boy, also on his back, on the edge of the sidewalk and one of his arms raised with a stone in his hand. He is in a position to throw the stone against the window of a store that contains a huge television in.

In the second square, Batman appears holding the arm in rising of the boy and confronted him with face to face. A first inclined plane with a special highlight of the encounter of the eyes. The scared boy and the menacing Batman.

In the third square, already with the arms low, the boy’s look is also of menacing against Batman, a clash of threats. But that’s where the balloon, with the speech of Batman, gets a special highlight: “Crime is a line. If you have never surpassed her, nothing will change in you. But even if you cross the line between right and wrong and are immediately punished, you can regret, but you will be tainted forever. And, if you were not punished, the certainty of impunity will not let you return to a life of good. It’s a no-return line. “

The first question I asked myself was “is this true for all crimes?”. Once you cross the line, are you marked forever?

The second one was a bit more complex and it took me many years to answer: “Does this Batman criminal-crossing-line applys to other elements within a punitive system of thought?”

The third question seems to be somewhat naive and silly, but it is a continuing conflict within society: “The criminal behavior is a state or a structure in personality?” ( in Portuguese it would be literally “are we criminals or are we criminal?)? Is there a return after a criminal act? “

Well, let’s break it down, I recognize that when I read this Graphic Novel, I was old enough to have stopped reading comic books. I was about 17 years old and should help out more at home and spend less time with nonsense (no, I did not think that’s true, nor did my parents think). But, I was old enough to be engrossed in ethical conflict, and I already had some literary repertoire to think about the problem (at least enough to be well lost in relation to it).

When I asked myself the first question, I began a soft, incessant quest to understand some things. There is Roman law and Anglo-Saxon law (in the West, in the Islamic world for example, law is Sharia). In Roman law the crime committed by man is punished and not the man himself. With this, the criminal history has little weight and, when there are accumulations of crimes, they are individually weighed in the construction of the penalty. From the Saxon right, I do not know, I am Brasilian, Latin, Rome and so… With this, it is possible to define a weight for each type of crime. It is therefore possible to classify the crime. Thus stealing an orange is different from stealing an orange truck. Stealing an old lady is different from robbing a bank. Killing is different from stealing and, raping is different from both. Each crime has its intensity and weight and, according to the law, will have a punishment proportional to the intensity of the act.

So the answer to the first question is “yes”. That is true, for all crimes, to pass the line and go unpunished in this passage is a risk to the process of moral formation. Weighs also that the examples and models are also a risk for the learning of social behavior. What is standardized in the social group, ends up being a moral model, even though it is not a legal model. And, once the line is broken, it is difficult to return. This means that, in the absence of immediate punishment, illegal behavior tends not to be extinguished spontaneously. You will never forget the cross of the line, even if you do not ever more cross it again.

This brings us to the second question. Is this Batman rule of criminal-crossing-line applicable to other dysfunctional and not standardized social behaviors?

In the society in which we live, based on a rationale of power over bodies, the pattern of formation of what we call education is punishment. That is, it is the good use of punishment that will generate enough pain and fear in the subject to extinguish or avoid the wrong behavior. We differentiate in education, in general, the inadequate behavior in three ways: Crime, sin, and error.

In general, among Catholics and Christians, all three are susceptible to guilt. That is, it is possible to be convicted and recognized as guilty by all three.

The mistake is by far the most common of them, is the result of the wrong exercise of responsibility, and derives from the absence of the task execution, the lack of commitment to the appropriate results, or bad choices in relation to it. In other words, do not do, do badly or decide badly about the choices. Mistakes are usually punished with fines, small punishments that are felt in the pocket. Also, redoing tasks or trying to explain the real good intentions behind the error, followed by long speeches and explanations of well-doing (sermon) are also part of the punitive process.

Sin is simpler and more complicated at the same time, it depends on a particular individual relationship with religion. Sin is, in fact, the crime against the laws of religion. Theologically, the gods would have passed on to men the normative behavior that must be followed by the users of the religious system. When there is a fault committed against these behaviors, the individual commits a sin. In the Catholic Church indigences and penances are the fruit of the sincere confession of the sin and its repentance, then, of admitting one’s own error and acknowledging the will to change. That is, penances have the function of educating the individual so that he does not return to sin again.

The third, crime, works more or less like sin, but the intervener is not the religion and its control force, but rather the state. It is the state with its legal, judicial and jail apparatus, as representative of the collective mass of individuals that says what is of law, and the penalty to be applied for whoever infringes it. In this way, the state is responsible for creating the norm, deciding what its rupture is, judging and condemning the corrupter of the norm.

But look. In all three cases, the punitive process is the social way of putting the individual back on what would be the right way and avoiding him from again get in sin, crime, or error. That is, punishment is the way to learning. In these terms, yes, the answer to the question “does this apply to other punitive systems?” Is yes. This is certainly true of all punitive systems and is widely applied. It is necessary not to make mistakes, and not to commit crimes, and if crossing that line you are not re-directed to the right path by a third force, you will hardly be able to realize alone that it is in crime.

It is simple to understand if we think in an error. When one makes mistakes, this one generally confident that the error was indeed a correctness (if it were not so, with the intention of guessing right, one would not make the mistake) and thus, if one is not informed about the error, one will only perceive the same after a negative consequence. So the punitive system is also part of the consequence of our actions. This reasoning leads us to question 3 !!!!

“Are we criminals or are we criminals?” (in Portuguese it is a big question) Well, first, this question only makes sense because I think in Portuguese. The difference between the verbs ser (to be) and estar (to be) in Portuguese refers to the difference between a permanent state of being (ser – to be) and an impermanent state of being (estar – to be). An emotion, for example, that is fleeting, is conjugated with the verb estar (to be). Already, a personality trait or ethnicity, are conjugated with the verb ser (to be). “I am happy” (passenger, impermanent, estar, to be), but “I am Polish (ethnicity, permanent, ser, to be).

With this, we can rearrange the question. Crime is a reissue act in the conduct of the subject. And, based on the previous paragraph, we already know that, yes, it is remissible as any error that is reoriented or re-educated. But for this to happen, it is necessary that the mistaker, criminal, and sinner have three significant characteristics in their relation to the world:

The first is to be able to create a relation between cause and effect. for example: “I’m being arrested because I stole children’s snacks in public schools.” Cause: Diverting fund from school snacks. Effects: Being arrested.

In this simple game of cause and effect, the ability to perceive that what was done is not in accordance with the correct laws and, mainly, that the fault is not of who judges, arrests or deceives, but of who commits the act of offense. With this paragraph we can already make an interesting analisys about the politicians of Brazil and the United States, none of them is able to do this reasoning nor in basic levels.

The second is to be able to differentiate between good and evil. Wherever you live, wherever you come from, doesn´t matter, there is the good and the evil. In almost all cultures, there are moral restrictions on taking possession of what does not belong to you, about the relationship between incest, sexual or minor abuse, and the preservation of life. In general, stealing, raping (in all its variations) and killing are crimes in almost every culture. So, we can say that respect for others and respect for life are part of a collective maxim about what is good. Therefore, that acts that afflict these two topics (disrespect the other or the life), in this small blue pannet, almost certainly, will be evil. Knowing the difference between good and evil is then and obviously a basic criterion.

The third is the most humane of the criteria and concerns a relationship between guilt and pity. The ability to put oneself in the other’s place, understanding their joys and pains is known as empathy. It is different from to take the place of the other, or to feel what the other feels. Empathy is more about how you would feel if you were in your neighbor’s shoes, and not to be there. Most commonly we feel the manifestation of this in guilt and pity. When we someone in a big disadvantage situation, and imagine how difficult the situation is even we are not in the same position: “Oh! Poor man!”. Or, in guilt, acting against the interests of others, depriving him of the possibility of enjoying what interests him, generating for him, suffering (a lot of mother can not say no to their sons trying to prevent feel). Of course, this is doing evil (?), But guilt is the remorse, it is the weight felt by the fact that the suffering of the other is a consequence of our behavior.

Both pity and guilt are necessary to recognize the pain or the joy of the neighbor and to imagine what it is like to be in his place. This guarantees, in our subjective, in the first place, the existence of the other as a being the part of the reality, with more or less equal rights.

The psychopath, the sociopath, and the rude (we, the rest, all of us) can not do these three things. But the psychopath and the sociopath have variations in neurological functioning that will never allow this learning, so punishment has little value to them, as the love (another good tool to teach values). The state of criminality is permanent to them, so “they are”, it is impermanent. Badly educated to a greater or lesser extent, are we all, the normal people. Nobody knows everything from beforehand, we live and learn. Even after the mother’s flip-flops-spanks (Brasilian mothers make miracles with a flip-flop) is gone, around the age of 36 for men and 11 for women (they learn much faster because they generally have more empathy), we continue to learn from our mistakes.

So, criminality is for the great majority a state of been, and not the been itselves.

O bem, o mal e o Batman

Sempre gostei de história em quadrinhos. Batman sempre foi meu super-herói favorito. Gostava, também do Homem-aranha, do Wolverine e do Justiceiro. Como consequência, acabava lendo as histórias paralelas que acompnhavam os gibis e Grafic Novels. Então, estava a par do que se passava na Liga da Justiça e no Universo Marvel.

Num dos inúmeros Grafic Novels do Batman, com uma arte um pouco sombria e início especialmente neurótico (bem típico dos conflito vivido pelo Bruce Weine), minha relação com a filosofia e a psicologia começou.

O ponto que me marcou intensamente se passa na primeira página. Envolvendo 3 quadrinho apenas. No primeiro, aparece o Batman em primeiro plano, de costas, agachado na beira de um edifício, como uma gárgula. Em segundo plano, um menino, também de costas, na beira da calçada e com um dos braços erguido com uma pedra na mão. Ele está em posição para jogar a pedra contra a vitrine de uma loja que contém uma televisão enorme.

No segundo quadrinho, o Batman aparece segurando o braço em riste do menino, e confrontado-o olho no olho. Um primeiro plano inclinado com um especial destaque do encontro dos olhares. O menino assustado e o Batman ameaçador.

No terceiro quadrinho, já com os braços baixo, o olhar do menino é de confronto também, um choque de ameaças. Mas, é aí que o balão, com a fala do Batman, ganha um destaque especial: “o crime é uma linha. Se você nunca tiver ultrapassado ela, nada mudará em você. Mas, mesmo se você ultrapassar a linha entre o certo e o errado e for imediatamente punido, você estará manchado para sempre. E, se não for punido, a certeza da impunidade não deixará você retornar a uma vida de bem. Ela é uma linha sem volta.”

A primeira pergunta que me fiz foi: “isso vale para todos os crimes?”.

A segunda foi um pouco mais complexa e levei muitos anos para responder: “isso vale para outros elementos dentro de um sistema punitivo de pensamento?”.

A terceira pergunta, me parece até hoje um pouco ingênua e boba, mas é um conflito continuo dentro da sociedade: “somos criminosos ou estamos criminosos? Há retorno depois de um ato criminal?”.

Bom, vamos por partes, reconheço que, quando li esse Grafic Novel, eu já tinha idade para ter parado de ler gibis. Estava com mais ou menos 17 anos e deveria ajudar mais em casa e perdendo menos tempo com bobagens (não, não acho isso de verdade, nem meus pais achavam). Mas, eu já tinha idade para estar mergulhado em conflito éticos e, já tinha algum repertório literário para pensar no problema (pelo menos o suficiente para estar perdido em relação a ele).

Quando me fiz a primeira pergunta, comecei uma busca suave e incessante para entender algumas coisas. Existe o direito Romano e o direito Anglo-saxão (no ocidente, no mundo Islâmico por exemplo, o direito é Sharia). No direito Romano pune-se o crime cometido pelo homem e não o homem em si. Com isso, a história criminal tem pouco peso e, quando há acúmulos de crimes, eles são pesados individualmente na construção da pena. Do direito saxão, eu não sei. Com isso, é possível delimitar um peso para cada tipo de crime. É possível, por tanto, tipificar o crime. Assim, roubar uma laranja e diferente de roubar um caminhão de laranja. Roubar uma velhinha é diferente de roubar um banco. Matar é diferente de roubar e, violar, diferente de ambos. Cada crime tem a sua intensidade e peso e, de acordo com a lei, terá uma punição proporcional à intensidade do ato.

Então, a resposta para a primeira pergunta é “sim”. Isso vale, para todos os crimes, passar a linha e sair impune nessa passagem é um risco para o processo de formação moral. Pesa que, então, os exemplos e modelos são também, um risco para o aprendizado do comportamento social. Aquilo que é normatizado no grupo social, acaba sendo modelo moral, mesmo não sendo um modelo legal. E, uma vez que a linha seja rompida, é difícil retornar. Isso quer dizer que, mediante a falta da punição imediata, o comportamento tende a não se extinguir espontaneamente.

Isso nos leva a segunda pergunta. Se cruza a linha é um comportamento que gera padrões em todos os crimes, geraria em outros comportamentos inadequados do ponto de vista social?

Na sociedade em que vivemos, baseada em um raciocínio de poder sobre os corpos, o padrão de formação do que chamamos de educação é punitivo. Ou seja, é o bom uso da punição que gerará dor e medo o suficiente no sujeito para que ele extinga ou evite o comportamento. Diferenciamos na educação, de um modo geral, o comportamento inadequando em três formas: Crime, pecado e erro.

De um modo geral, entre os católicos e cristãos, os três são passíveis do sentimento culpa. Ou seja, é possível ser condenado e reconhecido como culpado por todos os três.

O erro é, de longe o mais comum deles, é fruto do mal exercício da responsabilidade e, deriva da ausência da execução da tarefa, da falta de comprometimento com os resultados adequados, ou de escolhas ruins em relação a ela. Em outras palavras, não fazer, fazer mal ou decidir mal. Os erros, em geral são punidos com multas, pequenos castigos que se fazem sentir no bolso. Também, o refazer das tarefas ou a explicação das intensões reais por trás do erro, seguindo-se de longos discursos e explicações sobre o bem-fazer (sermão) fazem parte, também, do processo punitivo.

O pecado é mais simples e mais complicado ao mesmo tempo, depende de uma determinada relação individual com a religião. O pecado é, na verdade o crime contra as leis da religião. Teologicamente, deuses teriam repassado aos homens a normativa do comportamento que deve ser seguida pelos usuários do sistema religioso. Quando há se comete uma falta contra esses comportamentos, o indivíduo comete em um pecado. Na igreja Católica, as indigências e as penitências, são fruto da confissão sincera do pecado e seu arrependimento, então, da admissão do próprio erro e do reconhecimento da vontade de mudar. Ou seja, as penitências têm a função de educar o indivíduo para que não incorra novamente em pecado.

O terceiro, o crime, funciona mais ou menos como o pecado, mas o interventor não é a religião e suas força de controle, mas sim, o estado. É o estado com seus aparatos legais, judiciários e carcerários, como representativo da massa coletiva de indivíduos que determina o que é de lei, e a pena a ser aplicada para quem infringi-la. Dessa forma, o estado se responsabiliza por criar a norma, decidir o que é sua ruptura, julgar e condenar o corruptor da norma.

Mas, veja só. Em todos os três casos, o processo punitivo é a forma social de colocar o indivíduo novamente no que seria o caminho certo e, evitar que ele comenta de novo o pecado, crime ou erro. Ou seja, a punição é o caminho para a aprendizagem. Nestes termos, sim, a resposta para a pergunta “isso vale para outros sistemas punitivos?” é sim. Isso vale, com certeza, para todos os sistemas punitivos e é amplamente aplicado. É preciso não errar, e não cometer crimes e, se ao passar essa linha você não é encaminhado para o caminho certo por uma força terceira a você, dificilmente conseguirá perceber sozinho que está em delito.

É simples de entender se pensarmos no erro. Quando erramos, em geral temos certeza e confiança que o erro, na verdade, era um acerto (se não fosse assim, tendo a intenção de acertar, não se cometeria o erro) e, assim, se não formos comunicados do erro, só perceberemos o mesmo, após uma consequência negativa (que, segundo o ditado, pode tardar mas, não falhará). Então o sistema punitivo é, também, parte da consequência de nossos atos. Esse raciocínio nos leva a pergunta 3!!!!

“Somos criminosos ou estamos criminosos?”. Bom, primeiro, essa pergunta só faze sentido porque eu penso em português. A diferenciação entre os verbos ser e estar, no português, refere-se a diferença entre um estado permanente do ser e um estado impermanente do ser. Uma emoção, por exemplo, que é passageiro, conjuga-se com o verbo estar. Já, um traço de personalidade ou uma etnia, se conjugam com o verbo ser. Eu estou feliz (passageiro, impermante), mas eu sou polaco (etnia, permanente).

Com isso podemos reorganizar a pergunta. A criminalidade é um ato remissível na conduta do sujeito. E, baseado nas inflexões anteriores, já sabemos que sim, ela é remissível como qualquer erro que seja reorientado, ou reeducado é. Mas, para que isso possa ocorrer, é preciso que errante, criminoso e pecador tenha três características significativas em sua relação com o mundo:

1ª – Ser capaz de criar uma relação entre causa e efeito. por exemplo: “Estou sendo preso porque roubei a merenda das crianças nas escolas públicas”. Causa: Desviar o dinheiro das merendas. Efeitos: Ser preso.

Nesse simples jogo de causa e efeito, emplaca-se a capacidade de perceber que o que se fez não está de acordo com a narrativa e, principalmente, que a culpa não é de quem julga, prende ou dedura, mas de quem comete o ato delito. Nesse parágrafo já se tira uma média interessante sobre os políticos do Brasil e dos Estados Unidos, nenhum deles é capaz de fazer esse raciocínio nem em níveis básicos.

2ª – Ser capaz de diferenciar o bem e o mal. Seja lá onde você more, viva, de onde você venha. Em quase todas as culturas existem restrições morais sobre assumir a posse sobre o que não lhe pertence, sobre a relação de incesto, abuso sexual ou de menores, e sobre a preservação da vida. De um modo geral, roubar, estuprar (em todas as suas variações) e matar são crime em quase todas as culturas. Então, assim podemos dizer que, o respeito ao próximo e o respeito a vida fazem parte de uma máxima coletiva sobre o que é o bem. Portanto, aqueles atos que afligem esses dois tópicos, ao redor do planetinha azul, quase com certeza, serão o mal. Saber diferencia entre o bem e o mal, é então e por óbvio, um critério básico.

3º – O terceiro é o mais humano dos critérios e diz respeito a uma relação entre a culpa e a pena. A capacidade de se colocar no lugar do outro, entendendo suas alegrias e dores é conhecido com empatia. Ela é diferente de tomar o lugar do outro, ou sentir o que o outro sente. Ela diz mais respeito a saber como você se sentiria se estivesse no lugar do próximo. Mais comumente sentimos a manifestação disso na culpa e na pena. Pena que sentimos dos desfavorecidos, por sabermos com é ter, e imaginar como é difícil a situação de não ter. Ou, na culpa, agir de encontro aos interesses do próximo, privando lhe da possibilidade de usufruir do que lhe interessava, gerando para ele, sofrimento. Claro, isso é fazer o mal (?), mas a culpa é o remorso, é o peso sentido pelo fato do sofrimento do outro ser uma consequência do nosso comportamento.

Tanto para a pena, quanto para a culpa é preciso reconhecer a dor ou a alegria do próximo e imaginar como é estar no lugar dele. Isso garante, no nosso subjetivo, em primeiro lugar, a existência do outro como um ser a parte de nós, com direitos mais ou menos iguais.

O psicopata, o sociopata e o mal-educado não conseguem fazer essas três coisas. Mas, o psicopata e o sociopata tem variações no funcionamento neurológico que nunca permitirão o aprendizado, por tanto, a punição tem pouco valor. O estado da criminalidade é permanente, eles são. Mal-educado todos nós, em maior ou menor grau, somos. Ninguém sabe de tudo de ante mão, vamos vivendo e aprendendo. Inclusive, depois que as chineladas da mãe acabam, por volta do 36 anos para os homens e 11 para as mulheres (elas aprendem muito mais rápido porque em geral tem mais empatia), continuamos aprendendo através dos nossos erros.

Deixe uma resposta